Financês: Custo Efetivo Total (CET)

Se você já solicitou um financiamento, provavelmente já se deparou com termos esquisitos. Compreender esses termos pode trazer benefícios, maior confiança e até economizar seu dinheiro. 

Nessa série Explicando o Financês, você vai entender melhor o que está contratando e, quem sabe, até auxiliar seus familiares e colegas 😉

Custo Efetivo Total (CET)

Muita gente só presta atenção nas taxas de juros na hora de escolher um empréstimo ou financiamento. Porém, existem outros custos que podem tornar a operação mais cara. Assim, mesmo com uma taxa de juros mais baixa, é possível pagar mais caro no financiamento, por conta de taxas cobradas na contratação, por exemplo. Ou seja: taxa de juros mais baixas não quer dizer, necessariamente, que o financiamento é melhor.

O Banco Central criou uma norma, que exige que toda oferta de financiamento ou empréstimo contenha um “resumão” dos custos envolvidos, incluindo juros, todos os encargos e até os impostos. O nome dessa taxa é Custo Efetivo Total (CET). Ele nada mais é do que uma taxa percentual que engloba todos os custos envolvidos no empréstimo. Assim, fica mais fácil para o cliente comparar as opções, sem correr o risco de não estar considerando todas as despesas. 

CET menor, melhor para você! Lembrando que, geralmente, o CET vem divulgado “ao ano”, e não “ao mês”, como a maior parte das pessoas está habituada. 

Como funciona o Financiamento Estudantil da Alume >>

 

Faça parte da Alume

Cadastre-se